Clínica Otorrino Penido Burnier
Implante Coclear

O que é

O implante coclear é um aparelho eletrônico de alta tecnologia, que visa a restaurar a audição nos pacientes com perda auditiva severa ou profunda bilateral e que não obtiveram benefício com o uso de aparelho auditivo convencional.

Composição:

Ele é composto por uma parte interna, cirurgicamente implantada, e uma parte externa. A unidade interna é composta por um feixe de eletrodos que é posicionado dentro da cóclea (orgão periférico da audição) e um receptor/decodificador que é posicionado atrás da orelha. Já a unidade externa é formada por um processador de fala, um microfone e uma antena trasmissora.

Como funciona:

Primeiramente os sons são captados pelo microfone e transmitidos ao processador de fala. Este tem a função de selecionar e codificar os elementos sonoros, os quais serão transmitidos por radiofrequência para a unidade interna através da pele. Na unidade interna esses estímulos são transformados em impulsos elétricos que são então transmitidos diretamente as fibras do nervo auditivo através do feixe de eletrodos que é posicionada dentro da cóclea.

Indicações

Critérios:

O implante coclear está indicado para pacientes portadores de surdez severa/profunda bilateral que não apresentam benefício com uso de aparelhos auditivos convencionais. Vários testes específicos (testes auditivos com e sem aparelho auditivo) devem ser realizados antes da cirurgia para adequada indicação do procedimento. O gráfico ao lado mostra a faixa de audição em que o implante coclear está indicado.

Idade:

O implante coclear pode ser realizado a partir dos 6 meses. Não há limite máximo para a realização do procedimento. Em crianças, a idade ideal para a realização da cirurgia é abaixo dos 3 anos, já que antes desta idade o cérebro tem maior capacidade de adequar-se aos estímulos auditivos do implante coclear (plasticidade neuronal). Em adultos, um dos principais fatores prognósticos é o tempo de surdez, ou seja, quanto menor o tempo entre a instalação da perda auditiva e a realização da cirurgia, maior a chance de obter-se bons resultados.

Tipos de próteses

Atualmente no Brasil, quatro marcas de implante coclear estão disponíveis para comercialização e uso.

Cirurgia

A cirurgia do implante coclear vem sendo realizada ao redor do mundo há mais de 30 anos, sendo que sua técnica e passos cirúrgicos já encontram-se bem estabelecidos. O procedimento é realizado sob anestesia geral, com duração de aproximadamente duas horas. O acesso utilizado é o retroauricular (incisão atrás da orelha de cerca de 4cm) e o objetivo da cirurgia é posicionar a unidade interna receptora e inserir os eletrodos dentro da cóclea. As complicações pós-operatórias são incomuns e na maioria das vezes são leves e relacionadas a problemas da ferida cirúrgica.

Implante coclear bilateral

Atualmente já está comprovado que a realização do implante coclear bilateral possui inúmeras vantagens em relação ao implante unilateral. Este benefício é dado principalmente pela possibilidade de estimulação auditiva binaural (através de ambos ouvidos), que sabidamente proporciona uma melhor compreensão dos sons, sensação de localização de fonte sonora e aquisição de linguagem em crianças .

O implante coclear bilateral pode ser realizado em apenas um procedimento cirúrgico (implante coclear bilateral simultâneo) ou em dois tempos diferentes (implante coclear bilateral sequencial). No caso da cirurgia sequencial, é importante que o intervalo das cirurgias seja pequeno, especialmente nos casos pediátricos.

 

Implante híbrido

Estudo recentes vem mostrando que a preservação do resíduo auditivo em pacientes submetidos a cirurgia do implante coclear é importante e está associada a melhores resultados. Com base nisso e associado aos avanços da tecnologia das próteses de implante coclear e ao refinamento da técnica cirúrgica, surgiu o conceito dos implante cocleares híbridos.
Pacientes que possuem manutenção da audição nas frequências graves (geralmente com perfil audiométrico “em rampa”) podem beneficiar-se deste procedimento. A cirurgia é semelhante a do implante coclear convencional, com pequenas diferenças que visam a não danificar as células auditivas da cóclea e então preservar o resíduo auditivo do paciente. Isto permite que no pós operatório a audição seja reabilitada de duas formas: acústica (semelhante a um aparelho auditivo convencional) e elétrica (semelhante a um implante coclear). Isto é conhecido como estimulação eletroacústica ou híbrida.
O gráfico abaixo demonstra a faixa de audição para a qual está indicado o implante híbrido: