Cirurgia Endoscópica do Ouvido

Artigos, Ouvido , , ,

A cirurgia do ouvido, assim com em outras áreas da otorrinolaringologia e da medicina, vem sofrendo mudanças importantes desde o início século XX. Desde sua introdução da década de 50, o microscópio vem sendo a base da cirurgia otológica. Entretanto, pela impossibilidade de se ter uma visão lateral ou angular, em certas situações o microscópio não permite uma adequada avaliação de alguns recesso do ouvido.

Já bem estabelecido nas cirurgias do nariz e seios da face, o uso do endoscópio tem ganhado espaço também nos procedimentos otológicos nos últimos anos. A possibilidade de visão angular e a melhora progressiva dos equipamentos de imagem (câmeras e monitores de alta de alta definição por exemplo) são os principais fatores que tem levado os cirurgiões de ouvido a utilizar o endoscópio (Figuras 1, 2 e 3).

Atualmente o endoscópio pode ser utilizado nas cirurgias para colocação de tubo de ventilação, timpanoplastias, casos selecionados de colesteatomas, estapedectomias (cirurgia para otosclerose) e até cirurgias da orelha interna (labirintectomias e ressecção de schwanomas vestibulares). A principal vantagem é a melhor visualização através de um acesso menos invasivo. Muitos casos podem ser realizados totalmente via transcanal, sem a necessidade de corte ou incisão retroauricular. As principais desvantagens do endoscópio são impossibilidade de utilização das duas mãos durante a cirurgia (já que uma das mãos é utilizada para segurar o endoscópio) e a dificuldade de se ter uma visão em profundidade. Entretanto, com a adequação dos materiais cirúrgicos, o treinamento contínuo (inclusive na cirurgia endoscópica do nariz e seios da face) e a utilização de equipamentos que permitem imagem tridimensional, essas dificuldades podem ser bastante minimizadas.

É importante ressaltar que o endoscópio na cirurgia do ouvido não visa substituir a utilização dos microscópios, já que em várias situações o tratamento exclusivamente endoscópico não será suficiente, como em casos dos colesteatomas extensos. O endoscópio é mais uma ferramenta para o cirurgião otológico, e o seu adequado emprego é essencial para a obtenção de bons resultados.

Share Button